Custos para escolher a maternidade

Existem muitas variáveis envolvida na hora da escolha de qual maternidade irá nascer o seu filho. Hoje em dia, agora já oficializado pelo nosso amável “des”governo, os convênios médicos não tem a menor obrigação de que o médico ginecologista obstetra que acompanhou o pré-natal seja o médico que fará o parto sem o custo adicional de pagar por este serviço em cash, ou seja, não será coberto pelo plano de saúde. As mamães e papais se quiserem que usem os plantonistas do hospital, que se virem para escolher o melhor hospital, caso não queiram pagar o passe do médico do hospital na hora do parto. Dado isto, é bom observar algumas coisas, um checklist da maternidade:

Aspectos práticos e humanos

– O plano de saúde cobre;
– A equipe de enfermagem é prestativa e trata bem o acompanhante;
– O obstetra indicou;
– Outras mulheres e/ou pais gostaram;
– O quarto é completo e aconchegante;
– Tem estrutura para alojamento conjunto;
– A maternidade tem acesso fácil da sua casa;
– A futura mamãe se sente bem, tranquila e segura nesse local, além de transferir segurança ao futuro papai;

Aspectos tecnológicos

– Tem um centro cirurgico de última geração;
– Tem UTI para mamãe e UTI neonatal;
– A higiene está dentro dos padrões de segurança;
– A taxa de infecção hospitalar é baixa, inferior a 2%;
– Tem banco de sangue próprio;
– Tem berçário completo e bem vigiado;
– Os profissionais têm boa formação;
– A maternidade está dentro de um hospital, mas os ambientes são separados.
Fonte de consulta: revistacrescer.globo.com/Crescer/0,19125,EFC429604-2210,00.html

No nosso caso, a malandragem dos convênios médicos ainda não era oficial, era extra-oficial, mas tivemos que escolher por um hospital que fornecesse profissionais plantonistas de qualidade. Com base nisto, conversa com amigos, conversa com médicos, visitas à hospitais e pesquisas, nos decidimos pelo Hospital Maternidade Santa Joana em São Paulo/SP. Graças a Deus foi uma sábia escolha, deu tudo certo.

A mágoa com o “des”governo segue “ON”, pois eles não governam para as pessoas, mas sim para os que controlam o capital. Fato que não deveria ser assim, pois pagamos impostos absurdos, sendo necessário, no caso da saúde, pagar até 3 vezes: INSS(Previdência Social, já descontado na fonte ou guia a parte), Convênio Médico(vulgarmente conhecido como Plano de Saúde, Seguro de Saúde, para alguns mais revoltados, como “Seguro de Morte”) e Particular.

Como diria um nobre poeta de Esparta: “This is Brazilllll!!!”.

Leia também:

Até o próximo post.

Mais um pai de primeira viagem!

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CAPTCHA *