O Pai de Segunda Viagem vem mais uma vez falar sobre Gravidez de Risco, pois como devem saber a gestação do segundo herdeiro é de risco, só para variar.

Segundo o boletim informativo 23 semanas – Bebê cada vez mais forte, a partir da 23ª semana o bebê atinge o status de “viável”, ou seja, significa que já terá chance de sobrevivência se nascer antes do tempo (prematuro). A cada semana que passa o nenê vai ficando mais forte e amadurecido para enfrentar com melhores condições o mundo fora da barriga.

imagem de feto

Leia mais a seguir:

23 semanas de gravidez

Até mais.

Atualmente não se discute mais se é importante a participação do futuro pai no pré-natal da gestante, aliás, existe um consendo que é necessário e imprescindível.
Especialista dá dicas para os pais enfrentarem na prática, e de forma intensa, o período da gestação da companheira.

Espera-se que homem converse a respeito da gravidez, saiba como a gestante se sente, faça planos para o futuro, ouça suas queixas, além de estimulá-la a fazer atividades saudáveis e criativas como exercícios, leitura, etc.

O pai da criança deve, junto com todos os familiares, criar um ambiente tranquilo, receptivo, alegre e voltado ao apoio e segurança da gestante.
Desta forma ela terá um período de gravidez saudável e sem percalços.

Leia também:

T+.

Existem várias gestantes que ainda se referem à gravidez com exclusividade ao usar expressões de forma consciente e inconsciente, as quais transmitem a mensagem de que a gestação e criação dos filhos são questões puramente femininas.
Tal fato reflete atitudes ancestrais quando o homem era excluído da relação e sua participação terminasse no momento em que o bebê era concebido.

Hoje em dia, felizmente os tempos estão mudados e o que presenciamos é cada vez mais aumentar o número de homens que desejam participar ativamente do processo da paternidade, constituindo-se num elemento-chave indispensável da equação pré-natal. Desta forma, não se considera apenas a mulher grávida, mas o “casal grávido”.
Enquando se passam os meses de gestação, o feto ouve a voz paterna e percebe a influência que ele exerce em sua mãe, através dos batimentos cardíacos, corrente sangüínea e produção hormonal. Tudo aquilo que afeta positiva e negativamente sua mãe, também afeta o bebê e as questões conjugais entram em jogo com um grande peso, pois são as que mais atingem emocionalmente a gestante.
Aconte que a voz paterna é tão importante para o nenê, que se o pai se comunicar com ela ainda “in útero”, a criança é capaz de reconhecê-la e de reagir, logo ao nascer. Desta forma, se por algum motivo a mãe e bebê são separados após o nascimento, o pai deve assumir e estabelecer contato com ele para que não perca seus referenciais intra-uterinos, podendo sentir-se novamente em segurança.

Conforme explica a psicóloga Catiéli Malaguez Marques, artigo “A importância da paternidade no desenvolvimento infantil”, pai ausente não é aquele que foi embora, se separou da mãe e reside em outra casa, mas é aquele que nada contribui para o desenvolvimento do filho, o que independe de morar juntos na mesma casa. Mesmo que em outra residência, o pai ainda pode representar muito bem sua figura paterna, participando de eventos importantes na vida da criança, auxiliando-a quando necessário, tendo momentos afins (mas momentos de qualidade, embora que em pouco tempo).
Ela também chama atenção para a transformação cultural da sociedade e a influência disso na formação das famílias modernas: “As transformações culturais conduziram a uma mudança na estrutura das famílias atuais, onde nem sempre o que se vê são pais e mães educando juntos os filhos. Não existe regra para se dizer qual criança será problemática ou não, mas nem sempre serão as crianças órfãs de pais ou filhos de pais separados que sofrerão essa consequência. As crianças necessitam de afeto, amor, limites e cuidados, e a família tem o papel de suprir essas carências”.

mão de pai e filho

Leia também:

Até o próximo artigo.

Existem muitas variáveis envolvida na hora da escolha de qual maternidade irá nascer o seu filho. Hoje em dia, agora já oficializado pelo nosso amável “des”governo, os convênios médicos não tem a menor obrigação de que o médico ginecologista obstetra que acompanhou o pré-natal seja o médico que fará o parto sem o custo adicional de pagar por este serviço em cash, ou seja, não será coberto pelo plano de saúde. As mamães e papais se quiserem que usem os plantonistas do hospital, que se virem para escolher o melhor hospital, caso não queiram pagar o passe do médico do hospital na hora do parto. Dado isto, é bom observar algumas coisas, um checklist da maternidade:

Aspectos práticos e humanos

– O plano de saúde cobre;
– A equipe de enfermagem é prestativa e trata bem o acompanhante;
– O obstetra indicou;
– Outras mulheres e/ou pais gostaram;
– O quarto é completo e aconchegante;
– Tem estrutura para alojamento conjunto;
– A maternidade tem acesso fácil da sua casa;
– A futura mamãe se sente bem, tranquila e segura nesse local, além de transferir segurança ao futuro papai;

Aspectos tecnológicos

– Tem um centro cirurgico de última geração;
– Tem UTI para mamãe e UTI neonatal;
– A higiene está dentro dos padrões de segurança;
– A taxa de infecção hospitalar é baixa, inferior a 2%;
– Tem banco de sangue próprio;
– Tem berçário completo e bem vigiado;
– Os profissionais têm boa formação;
– A maternidade está dentro de um hospital, mas os ambientes são separados.
Fonte de consulta: revistacrescer.globo.com/Crescer/0,19125,EFC429604-2210,00.html

No nosso caso, a malandragem dos convênios médicos ainda não era oficial, era extra-oficial, mas tivemos que escolher por um hospital que fornecesse profissionais plantonistas de qualidade. Com base nisto, conversa com amigos, conversa com médicos, visitas à hospitais e pesquisas, nos decidimos pelo Hospital Maternidade Santa Joana em São Paulo/SP. Graças a Deus foi uma sábia escolha, deu tudo certo.

A mágoa com o “des”governo segue “ON”, pois eles não governam para as pessoas, mas sim para os que controlam o capital. Fato que não deveria ser assim, pois pagamos impostos absurdos, sendo necessário, no caso da saúde, pagar até 3 vezes: INSS(Previdência Social, já descontado na fonte ou guia a parte), Convênio Médico(vulgarmente conhecido como Plano de Saúde, Seguro de Saúde, para alguns mais revoltados, como “Seguro de Morte”) e Particular.

Como diria um nobre poeta de Esparta: “This is Brazilllll!!!”.

Leia também:

Até o próximo post.