Mesada: aprender a poupar, planejar e conquistar

João Kepler Braga critica em livro a mesada para os filhos e explica os motivos para ir na contramão da maioria dos planejadores financeiros

Como é a relação do seu filho com o dinheiro? Este é um assunto que interessa a todos os pais, especialmente em um país como o Brasil, onde falar sobre finanças ainda é um tabu para a maioria das famílias. Se você acha que a melhor alternativa para abordar o tema com os pequenos é a adoção de mesada (ou semanada), talvez você precise rever alguns conceitos.

Pelo menos essa é a avaliação do especialista em empreendedorismo e educação financeira João Kepler Braga, que escreveu o livro “Educando filhos para empreender”, da Editora Ser Mais. Segundo ele, se por um lado a mesada ensina às crianças a ter organização, controle e disciplina, por outro passa uma sensação equivocada de que sempre haverá dinheiro garantido.

“Devemos acostumar nossos filhos à necessidade de trabalhar e não à de esperar um salário fixo no final do mês. Não haverá empregos formais para todos os jovens da nova geração, por isso a importância de ensiná-los a encontrar alternativas”, afirma.

O especialista defende que os pais se perguntem por que dar ou não mesada aos filhos. “Na sua cabeça seus motivos são claros? E para o filho, como ele recebe e reage com ao seu ponto de vista? Geralmente, os pais repassam o que viveram. Quem nunca ganhou mesada na vida, provavelmente não dará para os filhos, mas ensinará como ele poderá conseguir, porque foi assim com ele.”

Foi o que aconteceu com ele próprio. “Meus pais nunca puderam me dar tudo o que eu queria. Chegou um momento em que meus amigos tinham tudo e eu, nada. Mais para frente, quando a gente se tornou adultos, eu me vi em uma situação financeira melhor do que a de muitos deles”, conta Braga, que hoje é investidor-anjo através da Bossa Nova Investimentos, empresário e escritor.

“Saber lidar com dinheiro não é uma tarefa fácil nem para os adultos, imagine só para uma criança. Até que a gente compreenda quais são os limites e as necessidades reais, a caminhada é longa. Determinar prioridades e saber dizer não quando você deseja comprar algo, mas entende que não é o melhor momento, é o maior sinal de maturidade e controle financeiro. Para o bem do seu filho, comece a fazer isso desde cedo, não dê tudo que ele pede de forma desenfreada, porque essa atitude só irá deixá-lo cada vez mais consumista e fútil”, avalia.

Os três filhos de Braga sabem o que é e como lidar com dinheiro desde cedo. A caçula Maria Braga, de 12 anos, produz cupcakes desde os 8 anos. O Davi Braga de 15 anos, é fundador de uma startup chamada List-IT, de lista de material escolar. O filho mais velho, de 17 anos, o Theo Braga, é produtor de eventos e vende ingressos.

“Desde pequenos, sempre quis acostumá-los a não ter ‘nada garantido’ (…). Não quero meus filhos focados em ‘empregos’, os quero pensando em ‘trabalho’, o que é bem diferente”, diz. “O que eu faço em relação a dinheiro: dou o suficiente para o lanche na escola e negocio a cada momento e a cada nova necessidade. Procuro promover e nutrir valores como conquista, competição, realização, gratidão, humildade, resiliência, tenacidade, liderança e interdependência.”

Braga garante que seus filhos têm uma “vida normal”. “Eles vão para a escola, tiram boas notas, têm amigos, saem, namoram, fazem tudo o que qualquer adolescente faz”, conta. “Eu, enquanto pai, acompanho a dedicação deles para o empreendedorismo de perto e não permito que isso tome uma parcela significativa da vida deles ou os atrapalhe de alguma forma.”

O especialista concorda que o estilo de vida empreendedor também tem que respeitar a vontade dos pequenos. “Nem todo filho vai querer ser empreendedor desde pequeno ou demonstrar alguma vontade para isso, mas é importante que os pais estejam atentos para orientá-los de forma correta caso seja alguma coisa que parta deles próprios.”

Na contramão

A tese de que a mesada ou a semanada têm aspectos negativos para a formação das crianças vai na contramão do que a maioria dos planejadores financeiros defende. Para Álvaro Modernell, sócio da Mais Ativos, em vez de os pais quererem trazer as crianças para o universo adulto, é preciso fazer o caminho contrário. “Há uma tendência de querer tratar as crianças como miniadultos na hora de falar com elas sobre dinheiro, o que está errado”, diz.

Não adianta querer abordar o assunto quando chega uma conta de luz ou na hora de pagar a conta do restaurante. É a própria criança que vai determinar o timing em que a educação financeira deverá ser abordada. Por exemplo, quando ela pedir para comprar um brinquedo ou um lanche em um momento inadequado.

“Se ela quebrar um brinquedo, os pais nunca devem rapidamente substituí-lo por outro como se nada tivesse acontecido. Assim, ela começará, aos poucos, a dar valor ao dinheiro que foi gasto por aquele objeto”, afirma Modernell. “É importante explicar isso de uma forma simples. Quanto mais lúdico, maior é a chance de a ideia emplacar.”

O educador financeiro defende que as crianças devem ter o próprio dinheiro, recebido através da mesada ou semanada. E o valor vai depender de cada um. “Não há uma regra para isso. Vai depender do estilo de vida da família, da condição dos pais e da realidade de cada criança”, diz Modernell. “O que eu recomendo é que, se os pais estão em dúvida, por exemplo, se dão 10 reais ou 15 reais por semana aos filhos, eles devem optar sempre pelo menor valor”, completa.

Isso porque é, sem dúvida, muito mais fácil subir o valor da mesada/semanada lá na frente do que reduzi-lo. “Além disso, deixar as crianças com menos recursos também vai forçá-las a controlar melhor seus gastos, o que acaba sendo positivo”, explica.

O consultor financeiro e autor de livros de finanças Gustavo Cerbasi, da Mais Dinheiro, também defende a mesada. E no livro “Pais Inteligentes Enriquecem seus Filhos”, da Editora Sextante, ele recomenda a mesada como um artifício para se abordar as questões do dinheiro, visando praticar a educação financeira.

“João Kepler não pratica a mesada com seus filhos, sequer recomenda o uso do instrumento. Entretanto, sem dúvida alguma, educar filhos para empreenderem é um avanço incrível nessa proposta, mesmo que a mesada esteja ausente. O papel da mesada é meramente ter um motivo para pais e filhos conversarem sobre dinheiro”, diz.

“Quando se trata de uma educação empreendedora, esse motivo extrapola a questão financeira: pais e filhos passam a ter motivos para conversar sobre finanças, estratégia, marketing, frustrações e planos mais ambiciosos. Ou seja, trata-se de uma evolução no modelo proposto para a educação financeira”, completa o consultor, que escreve o prefácio do livro de Braga.

Até mais ver.

Embora o investimento seja direcionado aos filhos, muitos dos pais optam por fazer os aportes em seu próprio nome

8 atitudes que pais de filhos bem-sucedidos têm em comum

Uma preocupação constante dos pais é o futuro de seus filhos e isso inclui a segurança financeira. A incerteza sobre o futuro econômico do país e a situação do mercado de trabalho dos próprios pais daqui a alguns anos tem elevado a procura por investimentos para as crianças. Conforme o diretor de investimentos da Azimut Brasil Wealth Management, Luiz Nazareth, houve um crescimento por esse tipo de demanda nos últimos 12 meses. A tendência pode ser pelo ambiente regulatório, porque foi reduzida a idade mínima para incluir dependentes no imposto de renda, ou ainda devido à nova geração estar mais preocupada com o futuro financeiro de seus herdeiros.

“Temos notado uma maior preocupação dos pais com os filhos. Eles estão em busca de algo um pouco mais focado e desenhado para os clientes com filhos. Essa percepção de aumento da demanda vai de encontro com o cenário mais conturbado no Brasil”, conta.

A discussão sobre a reforma da previdência também tem pesado sobre a decisão de investimentos desses pais, segundo Nazareth. O principal objetivo demonstrado por eles para o investimento é o custeio do ensino superior.

“Eles querem manter a qualidade do ensino dos filhos ao longo do tempo. Alguns pensam em compra de imóveis no futuro, mas majoritariamente os investimentos são voltados para os estudos e também intercâmbio”, explica o diretor da Azimut.

Embora o investimento seja direcionado aos filhos, muitos dos pais optam por fazer os aportes em seu próprio nome. “Se, eventualmente, o filho entrar numa universidade pública, ele pode investir em outra coisa para os filhos ou até mesmo usar em benefício próprio”, conta Nazareth.

O especialista destaca que a Receita Federal permitiu na declaração deste ano do imposto de renda que doações de até R$ 40 mil não fossem tributadas – esse valor é corrigido a cada ano –, o que também estimula o repasse de dinheiro dos pais para os filhos.

Onde investir?

Os investimentos indicados para esses pais variam conforme o perfil de investidor deles, prazo para resgate, idade do filho, aportes que serão feitos ao longo dos anos, etc. “A ideia é de que haja um mix de produtos para compor esse planejamento”, diz Nazareth.

Fundos de previdência privada PGBL (Plano Gerador de benefício Livre) e VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre) são algumas opções disponíveis e, dependendo do perfil do investidor, fundos de ações e multimercados também entram no portfólio.

Ativos atrelados ao IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), como alguns títulos do Tesouro Direto, são recomendados. “Existe uma gama de ativos de longuíssimos prazo que protege o poder de compra do cidadão”, diz Nazareth.

“Hoje majoritariamente os pais tem escolhido previdência privada e títulos indexados à inflação e o componente multimercados líquidos e ações entram de forma mais estratégica”, acrescenta.

Sobre o momento para iniciar esses investimentos, Nazareth explica que há procura até para recém nascidos, mas pais de crianças de um a cinco anos são os mais comuns.

“Pra abrir planejamento de longuíssimo prazo, os pais precisam ter clareza de seus objetivos. Se começarem a furar no meio do caminho não vão conseguir alcançá-lo”, afirma Nazareth, que explica não ter valor mínimo para que os pais comecem a investir pensando no colchão financeiro dos filhos.

Veja também:

Como transformar os filhos em gênios do dinheiro

Até o próximo post.

Science says parents of successful kids have 17 things in commonBusiness Insider - Infomoney - 8 atitudes que pais de filhos bem-sucedidos têm em comum

Mesmo que não haja uma receita definida para criar filhos bem-sucedidos, existem alguns fatores que preveem o sucesso segundo artigo publicado no Business Insider.

Dar educação aos filhos não é uma tarefa fácil. E embora não exista uma receita definida para criar filhos bem-sucedidos, existem alguns fatores que preveem o sucesso. Os pais de crianças bem-sucedidas normalmente têm alguns traços em comum.

Confira abaixo alguns deles:

1 – Eles dão responsabilidades aos filhos

“Se as crianças não estão lavando a louça, por exemplo, significa que outra pessoa está fazendo isso por eles”, afirma Julie Lythcott-Haims, ex-reitora da Universidade de Stanford. “E assim eles não se responsabilizam por tarefas, e não aprendem que cada um de nós deve contribuir para melhorar o todo”, diz.

Lythcott-Haims acredita que os filhos criados com responsabilidades se tornam funcionários que colaboram mais com seus colegas de trabalho, são mais empáticos porque pensam em equipe e são capazes de assumir tarefas de forma independente.

2 – Eles ensinam os filhos a terem habilidades sociais

Pesquisadores da Universidade Estadual da Pensilvânia e da Universidade Duke monitoraram mais de 700 crianças nos EUA entre o jardim de infância e 25 anos e descobriram uma correlação significativa entre suas habilidades sociais e seu sucesso como adultos duas décadas mais tarde.

O estudo mostrou que as crianças socialmente competentes – aquelas que cooperavam com os seus pares, eram proativas, compreendiam os seus próprios sentimentos e resolviam os problemas por conta própria – eram muito mais propensas a obter um diploma universitário e ser efetivado no trabalho por volta dos 25 anos do que aqueles com habilidades sociais limitadas. Além disso, o estudo mostra que as crianças que não desenvolveram essas competências tiveram uma chance maior de serem presos e beber em excesso conforme foram crescendo.

3 – Eles tentam ter uma boa relação entre si

As crianças que convivem com famílias em constante conflito, quer juntas ou divorciadas, tendem a crescer menos propensas ao sucesso do que aquelas que vivem em um ambiente familiar harmonioso, de acordo com um estudo realizado pela Universidade de Illinois.

O professor Robert Hughes Jr., responsável pelo estudo, afirma que crianças que convivem em famílias com um pai ou uma mãe, mas que não vivem sob constante tensão, se desenvolvem melhor do que crianças em famílias biparentais conflituosas.

4 – Eles desenvolvem uma relação de afeto e confiança com o filho

Um estudo realizado pela Universidade de Minnesota com 243 pessoas de classe social baixa descobriu que as crianças que receberam “cuidados sensíveis” e carinho nos primeiros três anos de vida não só tem bom desempenho em testes acadêmicos na infância, mas também têm relacionamentos mais saudáveis quando ficam mais velhos.

“Isso sugere que os investimentos em relações harmoniosas entre pais e filhos podem resultar em retornos positivos no longo prazo que se acumulam nas vidas dos indivíduos”, disse o co-autor do estudo e psicólogo da universidade Lee Raby.

5 – Eles valorizam o esforço dos filhos mais do que evitam o fracasso

A psicóloga da Universidade de Stanford Carol Dweck afirma que as crianças desenvolvem ideias diferentes sobre o sucesso, dependendo de seus pais:

Existe a “mentalidade fixa” que pressupõe que nosso caráter, inteligência e habilidade criativa são dados estáticos que não podemos mudar, e o sucesso é a afirmação dessa inteligência inerente. Esforçar-se para alcançar o sucesso e evitar o fracasso a todo custo se torna uma forma de manter a sensação de ser inteligente ou qualificado.

Por outro lado, existe a “mentalidade de crescimento” que está relacionada ao desafio. A criança preparada a partir dessa perspectiva vê o fracasso não como evidência de ignorância, mas como um trampolim de incentivo para o crescimento e para o alongamento de nossas habilidades existentes.

Segundo a especialista, os pais que promovem a mentalidade de crescimento criam filhos preparados para lidar com os erros e imprevisto que vão surgir inevitavelmente ao longo da vida.

6 – Eles agem com autoridade, mas não são autoritários

Uma pesquisa da Universidade da Califórnia mostrou que existem basicamente três tipos de estilos parentais:

Permissivos: O pai tenta agir de forma “não punitiva” e aceita tudo que a criança faz;
Autoritários: O pai tenta moldar e controlar a criança com base em um conjunto de padrões de conduta dele;
Autoridades: O pai tenta dirigir a criança racionalmente; sem influenciá-la apenas para suas perspectivas, mas impondo limites compatíveis ao que ele acredita;

Os pais “autoridades” representam o estilo ideal, porque os filhos os respeitam e não se sentem sufocados, nem pressionados para agir e desenvolver ideias, segundo o estudo.

7 – Eles aplicam um controle comportamental e não psicológico

De acordo com um estudo da University College London, o controle psicológico dos pais em seus filhos desempenha um papel significativo na sua satisfação com a vida e bem-estar mental.

Não permitir que as crianças tomem suas próprias decisões, invadir sua privacidade, promover a dependência e julgá-las por fazerem algo errado, são exemplos de controle psicológico.

O estudo mostra que as pessoas que não tiveram pais controladores durante a infância eram mais felizes e satisfeitas quando adultas. Por outro lado, as pessoas que os pais aplicaram controle psicológico durante a infância exibiram significativamente menor bem-estar mental ao longo de sua vida.

O controle psicológico provém da tentativa de controlar o estado emocional ou crenças de uma criança – O estudo aponta que o controle comportamental é o ideal na medida em que fixa limites sobre um comportamento que pode vir a ser prejudicial. Exemplos de controle comportamental incluem definir hora de dormir, atribuir responsabilidades e esperar que a tarefa de casa seja concluída, por exemplo.

8 – Eles compreendem a importância de bons hábitos alimentares

Pessoas bem-sucedidas reconhecem que bons hábitos alimentares podem ajudá-las a se concentrar e ser mais produtivo ao longo do dia. A Dra. Catherine Steiner-Adair psicóloga clínica de crianças e famílias afirma que o desenvolvimento de hábitos alimentares saudáveis em crianças requer envolvimento dos pais.

Segundo ela, para ajudar seus filhos a desenvolverem uma sensação de aceitação do corpo e uma autoimagem positiva, os pais precisam incentivar hábitos alimentares saudáveis, apresentando diferentes alimentos e buscando ajuda profissional, se for preciso.

Uma planejadora financeira e mãe ensina a transformar os filhos a se transformar em gênios do dinheiro, conforme entrevista ao portal Business Insider.
As lições podem ser ensinadas desde os três anos de idade, ela diz.

Regras da mesada

Para conseguir criar uma consciência financeira nas crianças precisa de bastante trabalho, embora muitas vezes não pareça uma prioridade, pode ser fundamental para o futuro deles. Beth Kobliner, planejadora financeira há 30 anos e escritora do livro “Make Your Kid a Money Genius (Even if You’re Not): A Parent’s guide for kids 3 to 23”, numa tradução livre, “Faça do seu filho um gênio do dinheiro – Mesmo que você não o seja: Um guia para pais com crianças de 3 a 23 anos”, explica que os pais são as maiores influências no comportamento financeiro de seus filhos. Segundo ela, as lições que são ensinadas às crianças aos sete anos de idade podem determinar seus hábitos de consumo pelo resto da vida.

The No. 1 money lesson to teach your kid, according to a mom of 3 who’s been writing about finance for nearly 30 years

Mãe de três filhos, Beth explica que a melhor forma de encaminhar as crianças para o sucesso financeiro é ensiná-las o conceito de gratificação tardia. “Eu acho que a lição número um é esperar”, disse em entrevista ao Business Insider. “Economizar e esperar por algo que você quer é a principal chave para aprender o valor do dinheiro – isso se for possível atrasar tal recompensa”.

Beth Kobliner

Série e Livro: Socorro! Meu filho come mal

Para ela, a melhor forma de ajudar as crianças a desenvolverem esse hábito é guardar uma quantia por algo que elas querem muito. “Ao invés de comprar um lanchinho todos os dias depois da escola, você pega um dólar e coloca em uma conta, ou até mesmo em um cofrinho na sua sala de estar. Esse dinheiro, por sua vez, será economizado para ser utilizado para um bem maior, como para comprar um conjunto de Lego, melhores lanchinhos, etc.”. Essa técnica, na opinião da especialista, faz com que as crianças tenham uma visão mais concreta sobre o que é necessário fazer para economizar dinheiro no longo prazo.

De acordo com a planejadora financeira, é possível ensinar esse conceito para crianças desde os três anos de idade. A abordagem inicial, por sua vez, não precisa estar relacionada ao dinheiro, mas pode ser feita sobre o tempo e a paciência necessários para esperar por um aniversário, feriado, ou até mesmo pela vez da criança na fila do brinquedo. “Pesquisas mostram que crianças realmente entendem os conceitos de trocas e valores, então acredito que ‘esperar’ é realmente o ponto chave”, diz.

Até mais.

A mesada estimula os filhos a planejar, poupar e conquistar, além de preparar para lidar com as frustrações de desejar algo e não ter recursos financeiros para adquirir.

Com os ensinamentos da mesada os pais conseguem enfrentar o dilema do equilíbrio entre dar o melhor a seus filhos e ensiná-los a valorizarem o que já possuem.
O grande estímulo é mostrar que o dinheiro é um recurso limitado, é preciso diferenciar o que são necessidades e o que são desejos.
Assim a mesada torna-se um excelente instrumento de educação financeira. Através dela a criança pode aprender a lidar com o desapontamento de querer algo para o qual não tem dinheiro e aprender a esperar e poupar para atingir esta meta.

Muitos pais tem dúvidas em relação à mesada, as quais pairam sobre quando começar a dar, quanto e com qual periodicidade.
Álvaro Modernell, especialista em educação financeira infantil e autor de livros sobre assunto, responde as perguntas mais frequentes em entrevista ao Dinheirama.

Confira a seguir:

Há uma idade ideal para começar a dar mesada?

Álvaro Modernell: Depende bastante da maturidade da criança e do estilo de vida da família, mas em geral vejo a faixa entre 6 e 7 anos como o melhor período, pois é a idade em que as crianças começam a ser alfabetizadas e passam a lidar mais intensamente com números. É bom quando a criança pede ou sugere, assim valorizam mais, ficam mais receptivas às orientações e sentem que estão conquistando algo.

Quanto dar de mesada? Cada faixa etária deve receber um valor diferente?

A.M.: Não há valor definido ou fórmula que funcione adequadamente para todos os perfis de famílias. Os pais devem observar as possibilidades de seu orçamento, os hábitos da criança e da família e a partir desse ponto buscar um parâmetro para iniciar.

Porém, é importante ressaltar que mesmo que haja a possibilidade de dar uma mesada alta, isso deve ser evitado. Em termos de educação financeira, a escassez ensina mais do que a fartura e em caso de eventual aperto financeiro da família as crianças não sentirão tanto.

É interessante que os pais conversem com os pais dos amigos mais próximos de seus filhos e tirem uma média, um valor parecido, assim não fica um valor exorbitante, mas também não frustra a criança com um valor muito baixo.

Além do valor, devem ser combinadas, acompanhadas e respeitadas pelas duas partes a periodicidade e as regras de pagamento e uso.

O dinheiro do lanche escolar deve estar incluído na mesada?

A. M.: Na infância, não. O dinheiro do lanche nunca deve estar incluído na mesada porque se corre o risco de a criança deixar de comer para não gastar o seu dinheiro.

Caso a família opte por dar dinheiro às crianças para comprar lanche na escola, os valores devem ser separados da mesada e, caso a criança opte por não comer naquele dia ou se sobrar troco, deve ser devolvido aos pais. Para adolescentes, isso pode acontecer, mas também com regras claras.

E condicionar a mesada com o desempenho escolar?

A. M.: Também não é recomendável! Isso pode estimular uma mentalidade mercenária. A criança pode cair de produção em um período sabendo que, mais adiante, com uma melhora nas notas, receberá uma recompensa financeira.

Além disso, encontramos casos de pais que terceirizaram ao dinheiro a responsabilidade pelo acompanhamento das tarefas e desempenho escolar, o que efetivamente é bastante prejudicial à educação infantil.

Como os pais devem pagar a mesada?

A. M.: Embora tenha o nome mesada, o ideal para as crianças menores é que não seja mensal, pois elas ainda têm dificuldade para lidar com horizontes temporais distantes. No início, dos 6 aos 8 anos, sugiro periodicidade semanal. Entre 8 e 10 anos pode-se optar por um período de transição, com a quinzenada.

A partir dos 10 ou 11 anos, conforme a maturidade da criança, pode-se estabelecer a mesada propriamente dita, com a periodicidade mensal, que será a da maioria dos ciclos financeiros que irão vivenciar na vida adulta.

É importante também que os pais mantenham as decisões a partir do momento que decidirem dar a mesada, como pagar no dia e no valor acordados. Mesada é coisa séria! E, se possível, devem pagar com dinheiro trocado, estimulando-as a poupar uma parte sempre que receberem algum dinheiro.

Qual a principal lição que fica para a criança e para os pais que optam pela mesada?

A. M.: Para as crianças ficarão experiências, aprendizados com erros e acertos, terão que fazer escolhas, conviver com limites. Aprenderão a controlar, pesquisar preços, a poupar, a planejar compras. Muitas vão desenvolver habilidades, atitudes e posturas importantes para que, quando adultas, tenham uma vida financeira tranquila e com boas perspectivas.

Para os pais, a percepção de que não basta dar o instrumento – a mesada. Precisarão dar também orientações e educação financeira propriamente dita. Também perceberão que é mais econômico e mais produtivo estabelecer limites para os filhos também nas questões financeiras.
Fonte: http://dinheirama.com/blog/2015/10/19/mesada-ensina-crianca-planejar-poupar-conquistar

reajuste_na_mesada

Leia também:

Regras da mesada
http://defendaseudinheiro.com.br/regras-da-mesada

Até o próximo post.

Seriam os pais mais propensos a dar dinheiro aos filhos do que as mães? Quando se trata de dinheiro, homens e mulheres agem de maneira diferente com os filhos conforme aponta uma pesquisa da empresa Ameriprise Financial, dados são do jornal Daily Mail nos Estados Unidos. Os pais são mais propensos a dar dinheiro, enquanto as mães tendem a distribuir conselhos financeiros.

Este levantamento contou com dados de 1600 pessoas nascidas entre 1946 e 1964, 300 de seus pais e 300 filhos com mais de 18 anos. Constatou que 93% dos homens na faixa dos 50 a 70 anos contribuíram de alguma forma com aquisições dos jovens, sendo que 58% tinham colaborado com a compra do carro deles, em comparação com 48% das mulheres.

Quanto ao planejamento familiar, 54% das mães contra 45% dos pais conversaram com os seus pais ou filhos sobre as finanças, enquanto 59% delas e 46% deles discutiram sobre questões familiares. As representantes do sexo feminino também estavam mais confortáveis ao falar sobre suas próprias situações financeiras do que os seus maridos e tendem a escolher as filhas para esse tipo de conversa. Na pesquisa também foi possível observar que os números demonstram os pais tendo maior probabilidade de ajudar os filhos a comprar um carro e a pagar o seguro. Dá a entender que esses homens aprenderam com a geração silenciosa dos seus pais, que também era mais propensa a ajudar seus filhos a comprar os mesmos tipos de coisas. Além disto as conversas entre os membros da família são essenciais para manter a situação econômica transparente e simples. Ao manter conversas regulares e abertas com o seu cônjuge e sua família, você estará ajudando a garantir que as decisões que está tomando são as certas para todos os envolvidos.

Fonte de consulta: http://vidaeestilo.terra.com.br/homem/pais-sao-mais-propensos-a-dar-dinheiro-aos-filhos-diz-estudo,4d2a826e9ca08310VgnVCM20000099cceb0aRCRD.html

Confira também este site dedicado ao assunto finanças pessoais e educação financeira:
http://defendaseudinheiro.com.br

porquinho-moedas

Até mais pessoal.