Veja as melhores opções para investir para seu filho

Embora o investimento seja direcionado aos filhos, muitos dos pais optam por fazer os aportes em seu próprio nome

8 atitudes que pais de filhos bem-sucedidos têm em comum

Uma preocupação constante dos pais é o futuro de seus filhos e isso inclui a segurança financeira. A incerteza sobre o futuro econômico do país e a situação do mercado de trabalho dos próprios pais daqui a alguns anos tem elevado a procura por investimentos para as crianças. Conforme o diretor de investimentos da Azimut Brasil Wealth Management, Luiz Nazareth, houve um crescimento por esse tipo de demanda nos últimos 12 meses. A tendência pode ser pelo ambiente regulatório, porque foi reduzida a idade mínima para incluir dependentes no imposto de renda, ou ainda devido à nova geração estar mais preocupada com o futuro financeiro de seus herdeiros.

“Temos notado uma maior preocupação dos pais com os filhos. Eles estão em busca de algo um pouco mais focado e desenhado para os clientes com filhos. Essa percepção de aumento da demanda vai de encontro com o cenário mais conturbado no Brasil”, conta.

A discussão sobre a reforma da previdência também tem pesado sobre a decisão de investimentos desses pais, segundo Nazareth. O principal objetivo demonstrado por eles para o investimento é o custeio do ensino superior.

“Eles querem manter a qualidade do ensino dos filhos ao longo do tempo. Alguns pensam em compra de imóveis no futuro, mas majoritariamente os investimentos são voltados para os estudos e também intercâmbio”, explica o diretor da Azimut.

Embora o investimento seja direcionado aos filhos, muitos dos pais optam por fazer os aportes em seu próprio nome. “Se, eventualmente, o filho entrar numa universidade pública, ele pode investir em outra coisa para os filhos ou até mesmo usar em benefício próprio”, conta Nazareth.

O especialista destaca que a Receita Federal permitiu na declaração deste ano do imposto de renda que doações de até R$ 40 mil não fossem tributadas – esse valor é corrigido a cada ano –, o que também estimula o repasse de dinheiro dos pais para os filhos.

Onde investir?

Os investimentos indicados para esses pais variam conforme o perfil de investidor deles, prazo para resgate, idade do filho, aportes que serão feitos ao longo dos anos, etc. “A ideia é de que haja um mix de produtos para compor esse planejamento”, diz Nazareth.

Fundos de previdência privada PGBL (Plano Gerador de benefício Livre) e VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre) são algumas opções disponíveis e, dependendo do perfil do investidor, fundos de ações e multimercados também entram no portfólio.

Ativos atrelados ao IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), como alguns títulos do Tesouro Direto, são recomendados. “Existe uma gama de ativos de longuíssimos prazo que protege o poder de compra do cidadão”, diz Nazareth.

“Hoje majoritariamente os pais tem escolhido previdência privada e títulos indexados à inflação e o componente multimercados líquidos e ações entram de forma mais estratégica”, acrescenta.

Sobre o momento para iniciar esses investimentos, Nazareth explica que há procura até para recém nascidos, mas pais de crianças de um a cinco anos são os mais comuns.

“Pra abrir planejamento de longuíssimo prazo, os pais precisam ter clareza de seus objetivos. Se começarem a furar no meio do caminho não vão conseguir alcançá-lo”, afirma Nazareth, que explica não ter valor mínimo para que os pais comecem a investir pensando no colchão financeiro dos filhos.

Veja também:

Como transformar os filhos em gênios do dinheiro

Até o próximo post.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CAPTCHA *